Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

ALEGRIA

 

Peguei em lápis de cor, e dei mais vida à minha folha de papel. Carreguei nos vermelhos das flores, no amarelo do Sol, no azul do Céu, no verde dos campos.

Tudo deixou de ser cinzento. Para cinzento, já basta a vida!

 

Tu apareceste, e trouxeste até mim uma Tela, tão grande, tão grande, que podíamos morar lá dentro.

Uma espécie de cubo, e por mais pálido e estranho que fosse, era somente nosso.

Pegamos em pincéis enormes, do tamanho do nosso coração, e pintamos ali mesmo o arco-íris da nossa alegria.

 

Ás vezes aqueles tons cinza aparecem, como se alguém por distracção lhe roubasse a tonalidade, fazendo da nossa vida, uma Tela a preto e branco.

A vida não precisa de ser, estranhamente do mesmo tom.

 

Felizmente eu olho ao meu lado e vejo-te. A alegria aparece!

Esta alegria não vem para ficar. É como aquele mar que pintamos cheio de ondas que não são reais.

 

As verdadeiras ondas, vêm e vão, assim como a alegria que me trazes.

Por mais que esta não seja uma constante, preciso dela.

Preciso dela como preciso de ti, porque sem ti a vida não tem cor, e a alegria perde-se, até uma nova maré. Nessa nova maré, trazes sempre uma nova cor. Que perdura o tempo suficiente para fazer de mim, mais feliz.

 

Catarina Portela

COMPANHEIRISMO

 

Somos velhos sentados perto da lareira, a ouvir a madeira a estalar. Somos velhos, sem paixões loucas, nem espaços para ilusões. Somos velhos, mas mais que velhos, somos dois!!!

Dois teimosos, rabugentos, mas cheios de lições de vida.

 

– Velhos?

Velhos são os trapos, e inteligentes são quem os usam para limpar a sua vida! Arejar com os conselhos e as historias. Reviver com alma e memórias.

 

Velhos somos, mas depois de uma vida, somos tanto e tanto um ao outro.

Foram embora aqueles sonhos gigantes, e partiram os filhos para outras casas, e perdemos já tantos e tantos que amávamos. Mas Eu e o Velho, Nós soubemos aguentar a Cruz, aquela que pesa tanto e tanto. Quando são dois a pegar nela, tão leve que esta fica…

 

Vai-se embora tudo, e todos, mas ficamos Nós. Com aquela voz que não precisa gritar, com aquele sorriso maroto que diz tanto sem uma única palavra.

 

Ficamos Nós e a Nossa Companhia mútua e inabalável.

E somos mais juntos, do que algum dia seriamos em separado!

 

Catarina Portela

PUREZA

 

Gosto da pureza da criança. Gosto da falta de maldade que existe enquanto somos pequeninos. Gosto porque é espontâneo cada traço, cada acção, cada palavra. Gosto pois tudo isso faz de Nós genuínos.

A partir do momento em que nos inserimos na sociedade, já não somos apenas Nós. Somos Nós “+” os Outros. Uma equação matemática que distorce tudo o que deveria ser individual e único.

Não sei quando é que deixamos de ser extremamente puros e fiéis a Nós mesmos. Sei somente que, quando o Amor desce de lá de cima até Nós, há algo de puro que regressa.

Talvez seja aquela gargalhada que já não se dava à algum tempo, ou então as borboletas na barriga, que parece o nervosismo do primeiro dia de escola. Talvez seja aquela sensação estranha de contar tudo, ou o desejo de projectar uma vida em conjunto.

 

Seja como for, a Pureza torna-nos Incomparáveis, a naturalidade com que as palavras nascem, os gestos, os olhares, fazem de Nós mais Humanos, mais Homens, e mais Mulheres. Viver em comunhão de forma Pura, é viver melhor connosco e com todos os outros.

 

Haverá melhor forma de Viver?

 

Catarina Portela

A Caixa - História de Vida

 

Estou trancada numa caixa, presa durante o imenso dia, apagada durante a noite. Não há vento que me derrube. Os meus pés estão somente colados ao chão!

Estou bem… Estou bem, aqui neste mundo sem janelas! Estou bem, sem saber se chove ou se está sol! Estou bem quando ouço, lá fora, os risos a entoar, e fazem eco ao longo das intermináveis horas.

O relógio não existe, mas existe aquele beijo de despedida, aquele abraço apertado, aquela voz atrás do telemóvel que repete, vezes sem conta, o quanto me ama, o quanto confia em mim, o quanto sente saudades minhas.

Existe, ou não…

Existe aquele sonho, de abrir a caixa e ver se o céu é assim tão azul, se a lua é assim tão redonda, se a noite é assim tão escura.

Existe aquele sonho em que tu chegas, pegas-me pela mão e os meus pés andam, como se o fizesse sempre… Tu sorris, e perguntas porque estou ali sozinha. Eu olho o chão e digo-te que gosto… Gosto do vazio que sou, do vazio que sinto!

 

Incrédulo pensar que para te amar tenho que sentir que estou bem, sem nada, sem ninguém.

Amar é ter tudo, fazer tudo, dizer tudo, brincar tudo, chorar tudo, ultrapassar tudo!

O Tudo é o limite, e o limite não existe… Reconstrói-se todos os dias!

 

Mas aquela dor… É uma dor que mora na caixa. Mas a caixa não sou eu!

Eu existo, assim como tu! Eu luto, assim como tu!

Luto para te ter…Luto para ser mais contigo…Luto para te sentir comigo…

Para lutar, eu não preciso de ti, nem da caixa, nem do eco das vozes.

Preciso só dessa dor enfiada na caixa!

 

O meu castigo é a distancia…

E nem a distancia é culpa minha…

 

(História de vida de Neuza - nome ficticio)

 

 

Felicidades

O amor nasce no olhar intenso, no toque mágico, no abraço que dura para sempre.

O amor nasce, na palavra que não esperas ouvir, no sorriso que cresce sem se pedir, nas lágrimas de felicidade, num grito de necessidade, na mão que chega antes de pedir.

O amor é eterno, quando pronuncias “aceito”.

Quando prometes a vida.

Quando sabes que para a união, bastam dois corações apaixonados, amantes, conscientes da responsabilidade do “sempre”.

 

Amar é seres de alguém, sem teres que pedir!

Amar é sentires alguém, quando ele não está!

 

Quando tudo isto de funde, e os Amigos ficam ofuscados com a cumplicidade, nada resta senão desejar que o nosso amor seja assim. Cheio de certezas, de projectos, de ambições, de sorrisos largos, de olhares, que sem falar, dizem tudo o que desejávamos ouvir…

 

A Nós, amigos de sempre, só resta dizer, um "Até breve", que a vossa felicidade seja eterna, como vocês são em nossos corações… Eternos…

 

 

Catarina Portela

 

texto pedido pela Dani :) Ideal para completar a prenda dos noivos...

O vento te leva... - História de Vida de Marcus

 

 

 

 

O vento te leva…

 

As pessoas são de facto Insubstituíveis.

Inesquecíveis!

Não há ninguém quem preencha o espaço

este espaço meu.

Somos únicos. Eramos Únicos.

 

Alguém aparece, e possivelmente pode ocupar esse lugar.

Mas não da mesma forma.

Porque o brilho do olhar é diferente,

porque aquela mente é única,

porque aquele jeito de ser é singular,

porque aquela forma de chegar até ti era de facto,

Especial…

 

A dor não vem porque te foste embora,

mas sim porque já não estás aqui.

A dor não é por não falares,

é porque já não me podes ouvir…

A dor não me mata,

nem me torna mais forte. 

A dor, só me faz crescer.

 

Cresço, mas nem bem, nem mal.

Cresço somente, sem ti.

Como se o tivesse de o fazer, por Nós…

 

Esta dor não desaparece,

não se vai embora.

Por mais abraços,

por mais carinho que receba,

por mais apoio

e por mais pessoas que tentem compensar

esse inferno vazio.

 

Arde no interior da tua mente,

não sabes sequer, como parar aquelas lágrimas,

aquela revolta…

Tão tua, tão de ninguém!

 

Quando alguém vai embora da tua vida,

e sabes que é para sempre,

bate a saudade, uma saudade eterna.

 

Primeiro choras, nem que seja baixinho.

Depois limpas as lágrimas para enfrentar o mundo,

aparece alguém que as faz cair, sem falar.

Essa saudade bate com pequenas palavras,

com pequenos gestos que os outros fazem,

e sem intenção,

são memórias de quem já partiu.

 

Bate à porta a injustiça,

a fraqueza,

a cobardia.

No entanto que culpa é que temos,

de nos acharmos desamparados?

E estamos…

Provavelmente estaremos sempre…

 

Ninguém te pode substituir.

Assim como eu já não posso dizer,

 olhos nos olhos,

o quanto te Amo.

Assim como eu já não te posso dizer,

Adeus…

 

Quando estas palavras não se dizem no momento certo,

o vento leva-as.

Não espera por ti!

 

Porque haveria de esperar?

 

O tempo, são meros segundos,

que passam, até a vida terminar.

 

Isto não significa que não vale a pena viver…

Significa que a vida tem mais valor

do que cada um de Nós lhe dá...

 

 

Até sempre…

 

 

 

 

Texto de Catarina Portela

 

Texto inspirado na historia de vida de Marcus. Alguém que não teve tempo de dizer Adeus

 Marcus descobriu que a namorada tinha um tumor no cerebro.

No dia da cirurgia não teve coragem de ir ao hospital.

No dia seguinte lá foi, e era tarde demais.

A sua namorada, faleceu, por complicações na cirurgia...

 

 

 

Esta é uma data com significado especial para mim. 4 anos passaram desde que o meu Pai faleceu.

E já não me resta nada para dizer.

Não porque já não dói.

Mas sim porque já não encontro mais palavras para aquela dor que é só uma, e que já a descrevi de tantas formas.

Hoje resta-me reconhecer essa dor nos outros, que é tão minha...

 

A dor de quem quer um pedaço seu.

Ate sempre, Pai.

 

O Destaque da Sapo

 

Após Anos e Anos e Anos a escrever, no meio de milhões e milhões de Blogs, eis que a SAPO me encontra e me coloca em DESTAQUE :) No meio de tantos blogs que já fiz, foi aquele que menos escrevo que mereceu o Destaque!!! Foi o de poesia...

 

http://pedacosmeus.blogs.sapo.pt/ - PEDAÇOS MEUS

 

A vida surpeende-me, e a Sapo também! :) :) :)

 

Obrigado Sapo.

 

destaque da sapo

Uns segundos para te dizer que te Amo

 

Todo o Pai, começa por ser uma autoridade irrepreensível. Uma ordem que se venera e não se confronta. Pai começa por ser, uma paixão respeitada, uma voz rouca com um pedaço de Nós.

O tempo torna-nos expressivos e manifestadores de uma vontade, que nem sempre é a vontade de quem nos ama. As discussões nascem, e a sensação de incompreensão permanece na mente jovem.

Quando de Jovem já pouco sobra, nasce o orgulho. Um encantamento que resulta da experiencia e da razão que o Pai trazia sempre consigo. Nasce um laço eterno e inquebrável de conforto e sensação de Amor inabalável.

Pai, é muito mais que um amigo. Pai é teu, é só um, é verdadeiro, e leal a tudo o que te fará melhor.

Pai é terno, brincalhão, descontraído, preocupado, consciente e definido. Tudo porque, a partir do momento em que Nós lhes caímos nos braços, o Pai cresceu mais um pouco. O Pai tornou-se finalmente Homem na sua essência mais profunda.

Nós, filhos, somos a metamorfose mais marcada do Amor. Somos a certeza de que alguém luta, alguém vive para nos agradar, para nos fazer feliz.

No entanto ao Pai, só lhe damos o valor merecido, quando de facto ele já não está cá!

Até esse momento chegar, parece sempre que temos uma vida inteira para refazer laços, parece que temos uma vida inteira para lhe dizer que o amamos, parece que temos uma vida inteira para fazer tudo por ele, parece que temos uma vida inteira para recuperar o tempo em que gastamos em momentos fúteis.

No entanto, há um dia em que a consciência nos diz que o mundo evolui rápido, e que não existem horas, ou dias, ou meses, ou anos…

A vida são só uns segundos, segundos que não se refazem…

Apenas desaparecem…

 

No dia 19 de Março, para além da prenda, da visita, do bolo, do jantar, do beijo, espero que lhe digam a palavra que realmente importa. É profunda mas ao mesmo tempo é verdadeiramente valiosa. Digam somente, olhos nos olhos, que o Amam, e que sempre o vão Amar.

Porque Pai há somente um, e certamente que se iram arrepender se não lhe der uns segundos da sua Vida.

A mim resta-me comprar mais um ramo de flores (que ele não pode cheirar!) acompanhado por uma vela (que ele não pode ver!) e dizer de rosto caído postos no chão, que o Amo, e que me arrependo seriamente de não o ter dito enquanto ele ainda o podia ouvir…

Feliz dia do Pai.

 

 

 

Sou e Serei - História de vida de Tânia

 



 

Separação sem jeito, que por defeito meu, nos arrancou um pedaço nosso.

Não, não me peças para escolher, entre ti e o mundo!

Não me peças para viver contigo, de uma forma solitária, ou então sorrir com o mundo completamente vazia.

Quero a conformidade entre ambas as perfeições. Quero o Sol e a Lua, o Céu e o Mar. Quero o doce e o amargo, o leve e o pesado fardo.

Quero, quero sim! Mas por inteiro, sem porquês, sem questões, sem confusões!

 

O amor, não se questiona, não se deforma, não se pede, não se abandona!

O amor não se rasga, não se separa, não se fere.

Para quê aguilhoar-me a ti, prender-me sem dó, num quadro estático, que não te sorri, não grita, não te olha, nem te toca com felicidade?

Para que amarrar-me às palavras negras, escritas num papel limpo, decalcadas a caneta vermelha?

 Para quê se te amo da mesma forma, com todos os defeitos que me definem como tua.

 

Sim Tua!

Tua contigo, Tua sem ti!

Tua quando me cortas a alma, quando me criticas.

Tua quando me beijas, quando me desejas!

 

Sou e serei, a liberdade inexplorada, a mulher de quem me aceitar em coração, a criança que mora no momento eterno da simplicidade desprendida.

Sou e serei a voz que não se cansa, e não se separa, de quem nunca a abandonou.

Sou e serei, incompleta. Tudo porque não me amas a ponto de me aceitares…

 

Amar não é um campo coberto de trigo.

Amar, são hectares de rosas cheias de espinhos…

Muitos abandonam a beleza por não saberem a melhor forma de a tornar eterna!

Tudo seria tão fácil, se juntamente com as qualidades, amasses também os meus defeitos…

 

Catarina Portela

Texto inspirado na história de vida de Tânia (nome fictício).

 

 

Arco - Íris

 

 

 

Um sorriso rasgado perpetua mais tempo do que seria esperado.

Isto não significa que te tenha esquecido, significa só, que já não dói quando me lembro de ti.

Quando ouço a tua voz, tudo o resto é barulho de fundo.

O coração aperta como se nervosa estivesse, mas a minha voz já não treme, e o olhar já se prende, sem o rosto corar…

 

Por detrás de uma palavra que toca no coração, existe o muro que nos separou. Já não se trepam árvores, nem se remam pelos rios atribulados.

Agora só se vêem barcos a passar. Cada um de nós observa, só que de margens do rio, diferentes.

 

O rio corre, o barco desce o rio, e eis que o olhar se cruza:

- É ele!

-É ela!

 

Mais um sorriso nasce do nada.

A mão levanta, e sacode-se, como se desenhasse insistentemente aquele arco-íris que reinou nas nossas vidas,

Da outra margem, o movimento repete-se…

 

Um volta as costas, com a sensação de dever cumprido…

O outro ainda lança um beijo, que já não foi visto.

Baixa a cabeça, e volta-se a sentar.

No som calado do pôr-do-sol, ouve-se um suspiro…

 

 

Saber Amar

 

Amar não é a ansiedade de estar.

Amar não são as flores que recebes ou ofereces.

Amar não são os beijos do adeus.

Amar não são as promessas do amanha.

 

Amar não é quando me procuras, quando corres até mim.

Amar não são os quilómetros que fazes até chegares, ou o esforço de te levantares para me ver.

Amar não são jóias, nem jantares, nem sequer os olhares que se trocam sem palavras. Amar, não é tocares-me de forma quente.

Amar, não é dizer que me amas.

 

Amar é saber esperar, são pequenos gestos de afecto, sem qualquer desejo de impressionar. É dar sem desejar receber.

Dar porque o seu coração pede, e não por ser o Dia de oferecer.

É o orgulho de permanecer.

Amar são os Beijos de Bom dia, e as conversas do dia a dia.

 

Amar é encontrares-me sem eu desaparecer, não ter que correr.

Afinal, quem ama, não vai embora, e para quê correr se estamos tão perto?!

Amar, é viver em conjunto, à frente das qualidades, atrás dos defeitos…

Amar é deixar o egoísmo.

Amar é guardar um pouco de mim, para deixar um local para maior para o Nós.

Amar, não são saudades. Saudades existem quando alguém parte. No amor há duas pessoas, nenhuma pode partir, pois o amor vai-se embora nesse instante…

Amar é sentir sempre a sua presença, mesmo que ausente.

 

Amar é seres meu sem saberes.

É eu ser tua, sem duvidar.

Amor é para todos.

Saber amar, é só para alguns.

 

Perfeitamente Incompleto

 

 

Pede-me para eu ficar, para que eu possa partir.

Pede-me para ser feliz, e eu sentirei o mundo cair a meus pés.

Pede-me para eu ser igual, e eu serei eternamente diferente.

 

A perfeição do que fazes contrasta com tudo o que te posso oferecer. Não preciso que me aconselhes, que me corrijas ou que apagues com a borracha, tudo o que eu refiz a lápis de carvão.

Não, não quero aquela caneta de tinta permanente, que me obriga a aceitar o que se fez inicialmente, que tantas vezes são traços sem pensamento.

Não, não quero o corrector que deixa marcas, nem as pegadas do passado espelhadas no céu.

Quero a confusão a que tenho direito! Quero a assimetria que nos torna únicos, e a musica que ninguém ouve.

Quero que me tragas o que não sou capaz de construir, mesmo que não mudes nada em mim. Quero-te tão-somente, assim…

 

Quero-te pedaço de cristal, perfeito, intocável, e transparente, mesmo que frio. Quero ouvir essa palavra que não te cansas de repetir, e os convites que deixas no ar, mesmo sabendo que não haverá coragem para os concretizar.

Quero-te assim, longe, mas constantemente perto. Perfeito, mas imperfeitamente meu. Quero esse pensamento dúbio, essa vontade que não se concretiza.

Quero, pois a mancha do inacabado, é completa dessa forma.

Não será preciso mais, apesar de sentirmos que sim.

Não haverá rancor, ódio, paixão, desejo. Haverá um de nós atrás de uma porta, presente apesar de omitido.

Não é um segredo, pois toda a gente vê, não é injusto pois toda a gente sente, não é incorrecto, pois nada é feito, nada cresce, nada amadurece. Tudo permanece como sempre foi.

 

Perfeitamente incompleto.

 

Não!

Não fiques triste, por eu ser feliz assim…

 

 

Obrigado - História de Vida de Rita

 

 

Eras um sonho de menino, que me mimavas de alegria, e me enchias de nostalgia. Eras um sonho de rapaz, que me colocavas um brilho no olhar, e um sorriso do tamanho do céu. Que me olhavas profundamente, e me tocavas nos cabelos de uma forma tão meiga, que até parecia cruel.

Assim, eu vivia nas nuvens, tu primavas pela passadeira vermelha que colocavas a meus pés.

 

Eu não queria ver o teu lado negro, a faca guardavas no bolso, para me apunhalares pelas costas.

Quando acordei, estava banhada em sangue, coberta de lágrimas, rasgada da vida, amarrotada de ódio!

 

Fizeste-me crescer! Não porque me mataste, mas sim, porque me trocaste! Fizeste-me crescer, por cada dor mal curada, por cada estalo no vazio, por cada palavra que não disseste, por cada acção no silêncio.

 

Eu? Eu levantei-me e caminhei por entre os mortos, e voltei a nascer, com uma nova força.

Disfarcei as cicatrizes que tu causaste, coloquei a alegria dentro do meu peito, e aliei-me a todos os que poderiam ser meus inimigos.

 

Confiei neles, confiei nelas. Confiei porque não via maldade. Confiei porque na verdade, eu não sabia o que era o Homem, e a sujidade que trazia consigo. Confiei sim.

Confiei porque ainda me custa ver, todas as pessoas que me falam, e me querem mal. Ainda me custa acreditar, que o Ser Humano magoa quem lhe faz o bem… Custa-me ver morrer a menina que fui…

 

Promessas foram feitas, mas em vão, pois não foram cumpridas.

Fiquei eu novamente, no canto do mundo, de coração apertado, e lágrimas enchendo os rios.

 

Qual é o feitiço que ele lança. Que permanece para alem do tempo. Basta a presença marcada, um olhar preocupado, um jeito mais terno. E tudo se vai, como se nunca me tivesse agonizado!

 

Hoje digo. Chega!

Chega de acreditar em quem não está ali para nos proteger! Existe no mundo, alguém que só vive para nos ofender, para nos prejudicar.

Ás vezes, esses Seres Malvados estão mais próximo do que imaginamos!

 

No fim agradeço…

Obrigado pelas lágrimas, pelas quedas, pelas desconfianças.

Obrigado pelos desgostos, pelas noites em claro, pela amizade enganada.

Obrigado pelo passado atrofiado, pelos momentos bons, e por todos aqueles que doem só de lembrar…

Obrigado à triste sina, à triste sorte.

Obrigado por me tornarem… mais forte!

 

                                                                                     

História baseada na vida de Rita