Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

Desaparecido, mas não Esquecido - História de Vida de Paulina Mouralinho

 

 

O meu irmão.

O teu irmão.

A tua mãe, o teu pai.

O teu primo, tio, avô…

O teu amado.

O teu ombro amigo…

O teu vizinho…

 

“Chama-se João Rui Marques Gomes, nasceu em 26-09-1973, tem 37 anos, é alto (cerca de 1,80), magro, de olhos e cabelo castanhos.”

 

A vida perigosa assusta os passageiros da estrada, que sem ver o que está a sua volta, confiam a sua vida, à sorte.

Perdem-se na caminhada, e deixam para trás uma memória sem rasto.

 

Tudo é farejado, como se de repente policia e famílias estivessem de mãos dadas, até à altura em que um deles baixa os braços. Mas a família não desiste assim… E correm apressados como se a vida e a morte dependessem deles.

Acreditam que podem mudar o mundo e a realidade à sua volta, não por eles, mas sim pelos que amam.

 

Mostram as suas lágrimas ao público que se contorce de dor, e muitos são os que, sem os conhecer, enxugam essas gotas salgadas de amargura. Não será difícil imaginar a insanidade que reina a partir do dia em que nunca mais, se lhe ouviu a voz.

No horário dos aflitos aparecem e desaparecem milhares de pessoas, uns que julgávamos amigos, outros que apenas se tornam parte da família pelo enorme coração que possuem.

 

O que resta da alma dos sobreviventes à tragédia, é como uma taça de cristal, que dá som quando tocada com suavidade com um dedo molhado, é frágil e ao mesmo tempo com a beleza inicial. Contemplada, admirada por todos os que compreendem, ou tentam compreender, a delicada partida que lhes pregou a vida.

 

Em casa, todos os seus objectos são um Templo dos Deuses, adorados e velados. Como se uma igreja se instaura-se, mesmo debaixo do tecto em que se vive.

Ali se sofre, se reza, se chora, e se cala quando se deseja falar.

 

Ali cresceu alguém, viveu alguém, sorriu alguém. Que agora só porque não está, o querem esquecer…

No entanto, ele é apenas um desaparecido, mas não esquecido.

 

Mas podia ser:

 

O meu irmão.

O teu irmão.

A tua mãe, o teu pai.

O teu primo, tio, avô…

O teu amado.

O teu ombro amigo…

O teu vizinho…

 

 

“Chama-se João Rui Marques Gomes, nasceu em 26-09-1973, é alto (cerca de 1,80), magro, de olhos e cabelo castanhos.

Estava a viver em Badajoz quando desapareceu em Fevereiro de 2009. A minha mãe, irmã e eu deixámos de receber qualquer notícia a partir da data anterior.

Como nos damos todos muito bem tem sido uma grande angústia não saber de alguém que amamos e muito.

A minha mãe já foi a Badajoz comunicar à polícia espanhola, também o fez à polícia judiciária em Portugal e até já foi a um programa da Sic já há alguns meses apresentar o caso. Mas  até agora nada se sabe.

Fica sempre a esperança apesar de os dias...meses...ano(s) serem vividos com muita tristeza e ansiedade por uma notícia que não chega.

Bem haja a quem se lembra de casos como estes e constrói um blog/site com uma frase tão verdadeira "desaparecidos mas não esquecidos".

Não sei se é possível colocar uma foto do meu irmão...mas se for fico agradecida.

Com carinho.”

 

Texto de Catarina Portela

Baseado na História de Vida de Paulina Mouralinho

 

(e para que não seja esquecido, é importante lembrar João Rui Marques Gomes…

Copiem o texto, coloquem o autor, divulguem a foto, e passem a mensagem

qualquer noticia contactar a Policia Judiciária)

 

 



 

 

4 comentários

Comentar post