Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

Histórias de Vida

Escrevam para catarinaportela86@gmail.com e conte sua a história da sua vida.

Lágrimas de Branco

 
Reina no quarto, um cheiro a álcool etílico, que nos trazem memórias de horrores e dissabores marcantes…
Era um cenário cruel que matava quando se sentia a palidez de uma família agarrada a desconhecidos. A frieza entrava como arrepio em todos os ossos, e barulho de fundo, roubava a vontade de escutar.
 
Forças miúdas lutavam pela vida, num sofrimento atroz, sem entenderem o que as espera. Sem entenderem, o porquê da vida lhes matar os sonhos.
Colocam-lhe a mais árdua tarefa, o mais bárbaro truque de magia:
Fazer de Grande, um pequenino…
Dar força sem a ter…
Engolir lágrimas para não ver chorar…
 
Eles não sabem, não compreendem, não vêem de onde nasce um adulto com apenas aquele tamanho.
Não sabem explicar, como apesar de tudo, são os pequenos que lhe dão a força… quando o contrário, seria mais justo.
 
Eras de todas a mais angelical. De uma pequenez frágil, gritavas auxílio por entre corredores de dor. Tubos transparentes intermináveis esganavam-te a vida, com um líquido sem cor espetado nas veias.
Eles garantiram-te a eternidade, mas ficas-te presa num branco ofuscante.
 
E a criança pediu ajuda calada e já sem forças.
As lágrimas caiem no rosto de uma mãe impotente que agarrava de corpo e alma, a pele macia, os milagres, as excepções, e o sorriso que ainda brotava do anjo que se estendia a seus pés.
O Tempo rouba-lhe um pedaço insubstituível, sem que ela o pudesse travar.
O Pai já não fala. As horas são esquecidas, e os culpados não aparecem.
Olham-se adultos, impotentes. Abraçam-se à saída. E seguem caminhos diferentes com a mesma revolta.
 
Saem do quarto, remando contra mares de sangue, vertendo incapacidades.
A criança, esgotada, chora no quarto pela vida que a mata…
 
Alguém passou, olhou, e limpou lágrimas que mais ninguém via...

1 comentário

Comentar post